Os sistemas de drenagem pluviais são fundamentais na organização urbana

Brasil, Educação, Meio ambiente

Os sistemas de drenagem pluviais são fundamentais na organização urbana

O livro “Hidráulica na Prática”, de Luiz Mario marques Couto, traz conteúdos reais e questões práticas sobre a atuação da água na vida da sociedade

As chuvas, quando em excesso, podem ser prejudiciais e desastrosas em áreas urbanas. Alagamentos, deslizamentos de terra, problemas na fiação elétrica etc são fenômenos que podem estabelecer o caos em cidades que não foram muito bem planejadas. Conforme dados coletados pelo IBGE, entre 2008 e 2012 por volta de 2,1 milhões de pessoas ficaram desalojadas devido a alagamentos, sendo o Sul e o Sudeste os Estados mais atingidos. Por esse motivo os sistemas de drenagem pluviais são essenciais para a organização social.

A Hidráulica é o ramo da física que estuda o comportamento dos fluídos. O tratamento da água, sistemas de esgoto, levantamento de aquedutos, docas e sistemas de drenagem pluviais são alguns exemplos de obras de responsabilidade do Engenheiro Hidráulico. Essa área de estudo é complexa e muito abrangente, para ajudar a entendê-la a Elsevier lança o livro Hidráulica na Prática de Luiz Mario Marques Couto.

A obra foi pensada para auxiliar os estudantes de Engenharia Civil, Agronomia e Engenharia Ambiental nos conteúdos básicos de Engenharia Hidráulica. Dividido em 20 cenários, áreas distintas, com 200 exercícios resolvidos, o livro é uma boa alternativa teórica e prática aos alunos. Hidráulica na Prática é uma coletânea de vivências e de situações verídicas que acontecem no ambiente de trabalho, o que faz com que as exemplificações sejam reais. A partir dessas experiências profissionais, são sugeridas soluções para os problemas detectados de forma a beneficiar tanto a sociedade quanto o meio ambiente.

“O foco desta obra está centrado na solução dos problemas de engenharia e nas consequências das soluções para o cidadão comum e para os diversos atores dos poderes Executivo e Judiciário. Os modelos matemáticos interagem nesses cenários como instrumentos de soluções e não como elementos primordiais. É uma abordagem diferente da adotada nos cursos de engenharia que privilegiam os modelos matemáticos, os modelos computacionais e analógicos e o funcionamento de ferramentas e instrumentos tecnológicos necessários à mensuração dos fenômenos hidráulicos”, conta Luiz Mario Marques Couto, autor da obra.

Responsável: Daniela Cacioli Cassia Larrubia
Contato: assistente@dfreire.com.br