Imunização para pacientes diabéticos: além da febre amarela

Personalidades, Rio de Janeiro, Saúde

De acordo com o levantamento do Ministério da Saúde, entre 1980 e 2004, 662 casos de febre amarela foram confirmados no Brasil, sendo, deste total, 339 óbitos, o que representa uma taxa de mortalidade de 51%.  Já no período entre julho de 2017 até 14 de janeiro deste ano, foram registrados 35 casos de contaminação pela doença no país. Devido à alta morbi-mortalidade (que gira entre 35-50%) está se recomendando a vacinação de todos entre 9 meses e 60 anos que moram em áreas de risco. Mas uma dúvida frequente: Pacientes diabéticos também podem tomar a vacina?

De acordo com dados de 2016 da Organização Mundial da Saúde, a diabetes mellitus atinge cerca de 16 milhões de brasileiros – o que corresponde a 8,1% da população adulta. Cerca de 72 mil brasileiros morrem todos os anos em decorrência da doença.

Os diabéticos têm risco aumentado de infecções graves e, segundo a nota técnica da Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD), publicada em 17/01/2018, a vacinação em pacientes diabéticos está livre de risco, desde que não haja nenhuma outra contraindicação como alergia a componentes da vacina, gestação ou doença imunossupressora grave. Segundo a endocrinologista Dra. Amália Lucy Querino, nos casos de glicemias muito descontroladas e nos pacientes com mais de 60 anos é aconselhado individualizar caso a caso, pesando-se o risco-benefício da vacinação que pode até mesmo ser indicada após o melhor controle glicêmico.

Para a SBD, não há motivo para ter medo da vacinação em pacientes diabéticos, desde que sejam respeitadas as contraindicações gerais. Pelo contrário, este grupo de risco pode se beneficiar da vacinação de forma mais notável, porque há algum potencial para salvar vidas.

Além da vacina contra febre amarela, a SBD recomenda a imunização de pacientes portadores de diabetes mellitus contra outras enfermidades, tais como MMR (Sarampo, Caxumba, Rubéola), Varicela, Influenza, Pneumocócica, Hepatite A e B, Meningogócica e Herpes-zóster. “Muitos pacientes estão procurando o consultório para se informar sobre a vacinação para febre amarela, o que está sendo positivo, pois estou conseguindo mostrar a importância da vacinação para outras doenças, principalmente a vacina da gripe (Influenza) que deve ser anual e a vacina pneumocócica 23 valente, que protege das formas mais graves de pneumonia”, explica Dra. Amália Lucy.

A médica salienta ainda que quem vai viajar para fora do Brasil, em áreas que precisam do certificado internacional, precisa tomar a dose completa da vacina, e não a fracionada, que está sendo fornecida amplamente nessa campanha vacinal e confere uma proteção temporária. Para isso, é necessário agendar sua visita a uma unidade de saúde para tomar a dose completa ou se vacinar em uma clínica particular, com antecedência mínima de 10 dias da viagem.

Amália Lucy Querino

Clínica Geral e Endocrinologista

Professora da Faculdade de Ciências Médicas IPEMED

Leblon: Av. Ataulfo de Paiva, 135 Sl 1411. 21.25122041/997005986

Barra: Américas Medical City, Av. Jorge Curi, 550, Sala 255. 21.2284-0649

LinkedIn: Amália Lucy Querino

Currículo lattes: http://buscacv.cnpq.br/buscacv/#/espelho?nro_id_cnpq_cp_s=6113926879581707

Deixe uma resposta